Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

01.Set.16

Birras e mais birras

Socorro! O meu filho tem dois anos e dois meses e o monstro das birras bateu-nos à porta.

Sabem aqueles miúdos que se atiram para o chão no meio do Pingo Doce? O meu atira-se.

Sabem aqueles miúdos que desatam num berreiro no meio da rua só porque ouviram a palavra NÃO? O meu deve ser o que grita mais alto.

Sabem aqueles miúdos que disturbam os jantares românticos de casais que ainda nem sequer pensam ter filhos? O meu disturba esses e todos os outros, até aqueles que têm filhos.

Sabem aquelas criaturas que cospem a comida, metem a mão à boca para tirar tudo o que está lá dentro e ainda puxam o vómito? O meu faz isso tudo. 

Sabem aquelas mães que batem por tudo e por nada? Sou eu e não é por tudo e por nada, as birras dão cabo de mim, assumo, não sei lidar com elas, não quero lidar com elas e o meu filho está INSUPORTÁVEL. Agora que vivencio esta maravilha posso dizer que é muito difícil gerir isto em público. As pessoas comem-nos com os olhos, comem porque os deixamos berrar, comem-nos porque afinal não os deixamos berrar e damos uma palmada na mão. Crucifixam-nos porque dizemos "está bem queres ficar deitado no chão no meio dos frescos do supermercado fica" e porque viramos costas. Criticam-nos porque acabamos por comprar mais um carro só para a peste se calar, ou porque não compramos e coitado o miúdo queria mesmo e precisava mesmo de um carro. 

 

Que bom estar no silêncio do meu escritório com a criatura berrante longe de mim. (ups lá vou eu ser criticada outra vez).

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Gracinha 01.09.2016 16:03

    Também sou amiga das palmadas e do "sacudir a mosca das mãos" ahahahah coitado do miudo, odeia moscas!
  • Sem imagem de perfil

    Raquel 05.09.2016 10:27

    Aahahah...eles odeiam quando lhes sacudimos as moscas :)
    O meu tb ja fez birras de supermercado, e precisamente para não ser criticada, num corredor sem gente levava um valente açoite! Nem sempre resultava.
    Em casa a história é outra. O fulano tem imenso respeito ao meu chinelo, e nunca o experimentou. Simplesmente quando começa com os ataque dele, eu tiro o chinelo bato com ele na minha mão com força e pergunto: queres levar nesse rabo? Ele ao ouvir o som do chinelo fica a olhar para mim e acalma-se logo ;)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.