Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

02.Out.18

Quando o telefone toca

Boa tarde, aqui fala o pai da M da turma do seu filho. O meu coração parou, passaram-me 100 cenários pela cabeça, um deles foi que o meu filho no alto dos seus 4 anos, qual delinquente, teria feito algum disparate muito grande que tivesse mandado a miúda para o hospital.

Está tudo bem, queria só avisá-los que o vosso filho está constantemente a importunar a M, bate-lhe e hoje inclusive apertou-lhe as bochechas, que ficaram com marcas vermelhas. Cordialmente o meu marido foi respondendo, nunca desculpando o nosso rebento (até porque o mau comportamento não deve ser desculpável) e dizendo que iria falar com ele. Desligaram o telefone e imediatamente começámos a zangar-nos com ele que já estava lavado em lágrimas sem perceber muito bem o drama da situação. Ficou de castigo e percebeu que não se bate (apesar de que sonsinho que só ele não o chegar a fazer porque manda um colega na vez dele).

Depois de o deitar e me sentar no sofá, já a sedimentar aquele telefonema comecei a ficar furiosa. 1 - a dita menina passa a vida a arranhar o meu ao ponto de ele dizer que ela precisa de cortar as unhas, 2- nunca me passou pela cabeça meter-me num assunto destes, ligar para os pais dela porque têm 4 anos, 3 - eu deveria ser avisada pelo colégio (que não fui porque disseram que não se justificava), e não pelos pais da miúda (a lista de contactos dos pais circulou apenas para efeitos de convites de festas de anos e outros assuntos relacionados) 4 - eles têm 4 anos, se já é assim com esta idade como será quando tiverem 10? Pedem à GNR para intervir? 

Não estou a desculpar ninguém, mas parece-me excessivo tudo o que fazemos nos dias de hoje em relação aos nossos rebentos. Esta protecção extrema, este andar sempre em cima do acontecimento, querer que eles sejam brilhantes quando ainda nem sequer andam, que falem quando só têm idade para dizer meia dúzia de palavras soltas, que dancem quando ainda mal gatinham. E se os deixássemos ser crianças de 4 anos apenas? Com arranhões, pontapés, baba e ranho à mistura?