Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Guerra declarada

Declararam guerra ao chocolate de leite e ao chocolate branco, ao leite e à lactose, à farinha de trigo e ao glúten, à batata branca e ao amido, à carne de porco, às salsichas e ao fiambre que não seja de aves, ao queijo que não seja branco, à manteiga que seja Mimosa ou Açores. Ao açúcar, ao mel e às compotas, aos cereais de pequeno almoço e às bolachas, ao pão branco, semi branco e quase castanho, ao pão de forma, de leite ou brioche. Guerra às gelatinas e às gomas, aos molhos da Calvé e tantas outras marcas, aos gelados que não sejam sourbet, às amêndoas da Páscoa, aos ovos moles, ao bolo rei e ao Pastel de Belém. Ao arroz que não é basmati ou integral e a todas as massas da Nacional. Ensinaram-nos a ler rótulos, a contar macronutrientes ou calorias, a distinguir a gordura saturada da que é boa. À mesa devem estar os ovos, a carne de frango, a pescada e o salmão. A batata doce e os brócolos e já nem sopas com legumes variados podemos fazer. Declararam guerra ao vinho e ao espumante, mas Gin até pode ser, aos sumos de fruta com mais que uma peça ainda que feitos na hora, aos refrigerantes light ou normais ou aos sumos de pacote. Adoptaram o óleo de coco ou de linho, o kamut ou a espelta. Adoptaram o Atkins ou Paleo e deitaram por água os hidratos a partir das 17h. Adoptaram os treinos de alta intensidade e puseram de parte as maratonas, venham as tabatas e os hiit 2-4, os treinos de ferro e funcionais.

 

Pergunto-me o que vai o meu filho comer quando tiver a minha idade. Que este mundo louco tenha já dado uma volta de 180º e nos permita beber uma imperial com uns tremoços a acompanhar e que seja cool postar isso no instagram. 

Pão LowCarb

E foi criado o pão dos nossos sonhos, a Miolo conseguiu: pão baixo em Hidratos de Carbono mas com sabor a pão, a bom pão, são 17,4 gramas de hidratos por 100 gramas. Tinha de partilhar convosco esta descoberta MARAVILHOSA. É caro (4,55 EUROS), mas para quem está em restrições alimentares/dieta pode ser uma boa opção. 

 

paoLowCarb.jpg

(infelizmente este não é um post patrocinado é mesmo uma partilha sincera de um achado)

A nossa alimentação e a das criaturas

A nossa consicência diz-nos que não devemos passar os nossos erros alimentares aos nossos filhos. Os bons hábitos devem ser incutidos logo desde pequeninos e devemos tentar replicar, de forma melhorada, aquilo que queremos e fazemos para nós. Nos tempos modernos, das correrias, das comidas de pacote, congeladas, das horas extra no trabalho e da falta de tempo é um quebra-cabeças comer-se bem e ter ideias para que os rebentos comam também em condições. Tenho a sorte de ter empregada todos os dias que me ajuda nas refeições dele e uma Bimby, mas mais do que isso é preciso imaginação. O meu truque é preparar os menus da semana para os rapazes e fazer as compras de acordo com o programado. Apostar em pratos que possam dar para várias refeições e alternar os dias entre peixe e carne. Opto por usar muitas verduras, batatas e gordura saudável, os molhos são sempre feitos com tomate e cenoura, não uso natas ou margarinas. Não compro comida embalada ou pré-cozinhada, não lhe dou douradinhos e outras coisas do género, terá a vida toda para comer isso, não dou salsichas ou outras carnes processadas e come massa apenas uma vez por semana. Nunca provou um sumo ou chá ou refrigerantes e bebe bastante água. Tentei dar uma vez um leite com chocolate da ucal e cuspiu.

 

Eu faço escolhas saudáveis para mim diariamente e quero muito que o meu filho aprenda de pequeno também a fazê-las, se lhe posso dar cereais sem glúten, dou, se lhe posso dar uma tosta de arroz integral em vez de uma bolacha Maria dou, e ele adora. Com as minhas manias consegui também pôr o meu marido a comer melhor e a fazer escolhas melhores. Zanguei-me muitas vezes porque não quero que o pequenote coma como ele. Quer comer mal, coma fora de casa e longe da vista. 

 

Ao sábado facilito um pouco e deixo-o comer mais "porcaria", é o dia da asneira para todos. Se vamos almoçar fora e comemos batatas fritas, então parece-me que a criança também pode comê-las, aliás confesso que nos restaurantes costumo pedir batatas e pão só para ele porque fica calado e quieto durante uns bons 10 minutos. Quando não quer comer não come, mas também não há substitutos, não entro em guerras como já tinha referido.

 

Deixo-vos uma semana típica deles. 

menusemanal.png

 A minha é um pouco diferente :) 

 

no fim o que conta é a alimentação

Desde que fui mãe e assim que o médico permitiu retomei os treinos no ginásio com o meu PT de sempre. Cheguei a fazer 5 treinos por semana com PT e resultados nem vê-los. Em Dezembro de 2014 resolvi que estava na hora de começar a treinar sozinha. Irritei-me por todo o dinheiro gasto, irritei-me por todas as horas perdidas no ginásio e irritei-me por todos os alimentos que deixei de ingerir. Fui reduzindo as calorias ingeridas em busca de um emagrecimento forçado, quando na verdade queria apenas reduzir a massa gorda. Posso dizer que entre o período de Janeiro a Setembro de 2015 fui imensamente infeliz por odiar o que via no espelho. No espaço de um ano frequentei 3 ginásios diferentes, precisava de arranjar um equilíbrio entre a nova vida de mãe, o trabalho e os treinos, queria treinar, mas não queria abdicar de tempo com o meu filho. Acabei por optar por um ginásio perto de casa e a meia distância do trabalho. Em Outubro de 2015 estava a correr cerca de 60 km por semana, a um ritmo bom, e massa gorda a derreter nem ver. Continuava com a minha alimentação super regrada, à base de folhas de alface, sopa, e aqueles alimentos todos que qualquer nutricionista nos impinge: marinheiras, iogurtes aromas magros, queijo vaca que ri light, gelatinas zero calorias, tortas de arroz integral, tostas de espelta... pacotes e pacotes de comida "light" e "saudável".

 

Resultados: nem vê-los.

Aprendi da pior maneira, vi o mal que fiz ao meu corpo ao ponto de ficar totalmente desequilibrada a nível hormonal pelo stress constante que lhe causava. Hoje olho para trás e fiz apenas asneiras. Não basta correr, fazer treino de alta intensidade, saltar feitos maluquinhos, fazer pranchas ou levantar pesos. Não basta acima de tudo contar calorias e reduzi-las a mínimos, ou cortar nos hidratos de carbono. É preciso equilibrar tudo com uma boa alimentação, e quando digo boa alimentação é comer tudo de preferência que não esteja empacotado, ou embrulhado. É necessária muita proteína (sim é verdade, apesar da conversa já enjoar) de boa qualidade, em todas as refeições, e não falo da proteína que um queijinho light nos dá (2 gramas), falo de 15 gramas de proteína. Não é fácil arranjar um equilíbrio, não é fácil ver o que o nosso corpo precisa para começar a trabalhar e a derreter gordura. É necessária muita disciplina, e muita informação, aprendi sozinha, li muito sobre o assunto e passei a desconfiar de quase todos os nutricionistas.

Tema Fracturante (1)

A alimentação dos nossos bebés. O Pablito nunca foi boa boca, é impossível dar-lhe alguma coisa a experimentar porque simplesmente cerra os lábios, e só mesmo apertando as bochechas para alguma coisa entrar é que ele experimenta, mas pasme-se - a maioria das vezes não gosta e faz o que sabe fazer melhor, puxa o vómito. É preciso uma grande paciência e um jogo de cintura para inventar pratos nutritivos que lhe passem pela goela. À falta de imaginação junta-se a carne na sopa, mais algum hidrato para além da batata e tenta-se que coma duas colheres de sólidos. 

 

Consigo contar pelos dedos das mãos aquilo que ele gosta verdadeiramente: fruta, tostas extrafinas (daquelas que comemos com patê), bolachas bledina, pão de qualquer tipo, papa Nutriben (sim até aqui é um esquisito, nada de cerelac ou nestum), feijões (ou com carne picada ou com peixe), gelatina, iogurte, ovo mexido, batatas fritas, croquetes, pasteis de bacalhau e aveia ou outros flocos do género. E é isto. Não gosta de estufadinho de frango, odeia ervilhas, arroz ou esparguete. Odeia queijo, cogumelos, ou outros tipos de massa. Não quer provar aquilo que estamos a comer, a não ser que seja comida de mão. Claro que adora bolos ou outro tipo de pastelaria mas isso não vou incluir na alimentação dele porque não sou a favor. Todos os dias as horas da refeição são uma incógnita, e ou não damos muita importância ou ele acaba sujo até ao rabo com comida que cospe, atira ou vomita. Maneira de ultrapassar o problema: fazer aquilo que toda a gente diz para não fazer que é ou passar tudo na sopa mas mesmo assim se ficar com um sabor forte ele já não come, ou misturar tudo com a fruta que é o que acabamos por favor. Assim os menus com mais sucesso são: banana com franguinho desfiado e arroz de milho, papaia com carne picada e batata cozida, manga com tamboril e cenourinhas e por aí em diante, purá de batata com salmão grelhado e puré de pêra/uva. Vai tudo com fruta e vai muito bem. 

Mensagens

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D