Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Tortura dos tempos modernos

Qual é qual é? PRIVAÇÃO DO SONO

 

00h - buááááá, coloca chucha, não chega, pega, embala, pousa - 00h15

02h - buááááááá, coloca chucha, não chega, pega, embala, pousa, desperta, pega de novo, embala, pousa - 02h25

04h - buááááááá, coloca chucha, não chega, pega, embala, pousa, desperta, pega de novo, embala, pousa, desperta, pega pela terceira vez, aguarda 15 minutos, diz que é o tempo para entrar no sono profundo, pouca - 05h

06h40 - buáááááááá, coloca chucha, não chega, pega, diz palavrões, pousa, desperta, pega de novo, embala, diz palavrões a cantarolar, senta no sofá e fica com ele nos braços até acordar de novo - 08h40 (hora do despartador tocar).

 

 

O que as mães fazem e não contam a ninguém

Esta noticia do Sol está muito bem apanhada - o que as mães fazem e não contam a ninguém:

 

Tomam menos banho desde que são mães - não tomo menos mas sim mais rápidos, já a cabeça anda mais vezes oleosa.

 

Preferem uma noite de sono a sexo - sexo? o que é isso? quem pensa em sexo quando pode dormir mais uns minutinhos? Uma noite de sexo? Grande LOL

 

Saltam banhos do bebé - sim é verdade, toma banho dia sim dia não, e confesso que não raras as vezes me apetece saltar mais um mas não o faço. Aquela história de que os bebés não cheiram mal é meia mito. Exprimentem pôr o vosso nariz no rabinho deles. 

 

Sentem-se aliviadas quando saem para trabalhar - e sentem-se aliviadas quando ele adormece às 21h, sentem-se aliviadas quando ele dorme a sesta, mas também morrem de saudades quando estão longe. 

 

Fazem desaparecer brinquedos irritantes - a questão é outra, porque é que eles só gostam dos brinquedos irritantes? Ofereceram-lhe um tambor da Chico que é de tirar a paciência a uma Papa. Dei-lhe sumiço. 

 

Por vezes acham que não foram feitas para ser mães - ou isso ou dizer ao marido "se eu soubesse o que sei hoje nunca teria engravidado". Repito muitas vezes esta frase e depois tenho vontade de morrer tal é o peso na minha consciência.

Mamã

Os nossos filhos são uns prodígios, podem não se sentar, rebolar apenas para um lado mas antes de fazerem sete meses já dizem mamã. Vá, não é bem mamã porque repete a sílaba 3 vezes mamamã, 30 vezes seguidas e vai sempre aumentado o tom. Mas é tão tão engraçado ouvi-lo dizer mamamã quando está zangado (sim normalmente só diz quando está zangado) e repetir quase até ficar rouco. 

Sobreviver ao quinto e sexto mês

E eis que o quinto mês chega num ápice. E com ele as sopas, as papas e a fruta. Finalmente deixas de estar em pânico porque ele só bebeu 205 ml de leite quando devia beber 210 ml (a verdade é que o Pablito na maioria das vezes ficava-se bem com 80 ml). A primeira sopa corre mal, ele grita zangado contigo como se lhe tivesses a dar cocó cozido. Cerra a boca, faz caretas e tem vómitos. A segunda sopa corre igualmente mal, a terceira corre um bocadinho melhor e ao fim de uma semana ele já adora a sopa. 

Penses que lhe vais dar puré de fruta cozida esmigalhado com garfo mas estes pequenos seres são exigentes, tem de ser tudo passado na varinha. Pensas, "oh meu deus, nunca se vai habituar a novas texturas", queres lá saber. Adora a pêra XPTO que a senhora da mercearia recomendou, portanto à vigésima quinta pêra comprada consegues acertar no tipo (Conice - juro nunca tinha ouvido falar) e ficas com um pequeno devorador de pêras. 

Passado uma semana podes introduzir a papa e aí a conversa já é outra, chora, mas é porque demoras demasiado tempo entre levar a colher ao prato e enfiar a colher na boca dele. Tens também um pequeno devorador de papas. Tudo se começa a compor e podes finalmente tirar aquele biberão que não dá jeito nenhum à uma da manhã. Mas como por magia ele passa a adorar leite outra vez e acorda quem nem relógio de igreja para esse biberão. 

Já chora muito menos, já se entretém dois minutos a ver o baby tv, dois minutos no parque, dois minutos na cama, dois minutos no chão, dois minutos na cadeira de comer, e portanto consegues ganhar 10 minutos por dia. Nas outras alturas também não precisa de estar ao colo, mas precisa de te estar a ver, mas não podes estar de costas, tens de te virar para ele e falar-lhe directamente, se falares a cantar ainda fica mais feliz. Experimenta ler-lhe uma receita na cozinha enquanto preparas o jantar. Palra já com sílabas e a preferida é o bá, fica 20 minutos seguidos a gritar bááááááá báaáaáááááa como se tivesse a fazer um grande discurso. 

Já aprendeu o conceito de desprezo e quando não está para aí virado ignora-te. Amua inclusive porque tiveste o desplante de voltar a trabalhar. E com uma descrição assim, digam lá se estas criaturas não são adoráveis.

IM IN LOVE.

A seguir às cólicas, os dentes

Criaturas amorosas estas que geramos. Quando achamos que o pior já passou, que os dentes de baixo dão alguma dor de cabeça a nascer, que as cólicas se foram, surgem noites a fio sem pregar olho. Choraminga, esfrega a cara na minha roupa, baba-se em fio, tenta morder as minhas bochechas, não me deixa pôr gel nas gengivas sem me dar umas boas trincas... pobre coitado. Parece que vêm aí mais dentes, e estes, não estão a dar tréguas, não estão mesmo. Nós por cá, sobrevivemos com palitos nos olhos e paracetamol para as dores de costas que se apoderaram depois de uma noite de tanto colo e embalos. 

6 meses e meio

Come sopa com carne, come papa com glúten, come pão, come maças, pêras e papaias, lambuza-se com mangas. Voltou a gostar do leite só para chatear no momento em que eu ia retirar o leite da ceia que sua excelência bebe às 00h30. Faz cocó como um homenzinho, fala muito muito muito. Ri-se às gargalhadas com o cucu e detesta cócegas nos pés. Anda rabugento por causa dos dentes de cima que teimam em não sair mas continuam a chatear e está cada vez maior e eu sou A mãe babada.

 

6mesesEmeio.jpg

 

O dia a dia sempre em tons azuis

Já sabem que escrevo de maneira irónica, e tentando manter o registo nos próximos 3 posts vou contar o dia normal de uma mãe com um bebé de um mês, de dois e de três. Sem grandes corações, ou reportagens fotográficas em que tudo é bonito. Sem selfies na praia a mostrar a barriga cinco dias após o parto (ainda me pergunto como fazem com os lóquios - perdas de sangue - uma vez que não é suposto pormos nada dentro do nosso pipi, nem um tampão).

Mensagens

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D