Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

e o casamento?

Perguntava-me uma amiga como é que o casamento sobrevive ao nascimento de um filho. Sei que não existe uma fórmula mágica, sei que há casos, e conheço um, em que a relação do casal melhora muito, sei de outros casos em que a relação morre, e de outros em que a relação sobrevive. Só posso falar por mim e confesso que o inicio foi difícil. Não tinha tempo para ele, não queria estar com ele, era um misto de sensações, os babyblues a apoderarem-se de mim de tal forma que cheguei a pensar que estava com uma depressão profunda. Não gostava de mim própria, como poderia amar alguém? Passamos de 9 meses em que somos o centro das atenções para a sermos apenas mães, criadoras de bebés, passamos 9 meses com shots de hormonas para ficarmos sem hormona nenhuma. Passamos 9 meses a engordar para depois só querermos emagrecer. Passamos 9 meses a dormir mal para a seguir não dormirmos de todo.

Passou-me muitas vezes pela cabeça a palavra divórcio, dei por mim muitas vezes a olhar para o meu marido e a questionar-me "o que é que fazes aqui? baza, estás a mais". Verbalizei muitas vezes, demasiadas vezes, este tipo de sentimentos. Mas aqui estamos nós, juntos, mais adultos e mais próximos. Se há vezes em que me apetecia mandá-lo dar uma volta, também sei que é com ele que quero ter mais filhos e se isso não é amor não sei o que será. Por outro lado também não tenho pudor em dizer que o meu filho ocupa parte do meu coração e essa parte só poderá ser ocupada por outro amor do género que não se coaduna com o amor que sentimos por um homem. Mas o casamento sobreviveu, somos felizes com os nossos momentos, somos feitos um para o outro mesmo que com menos tempo para nos amarmos. Somos uma família, e isso só faz sentido com os dois presentes, debaixo do mesmo tecto. O casamento sobreviveu e não me imagino sem o homem ao lado do qual acordo todos os dias, mesmo que haja alturas em que só me apetece atirá-lo para fora da cama, mas isso, com ou sem filhos, acontece com todas nós. 

Mensagens

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D