Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

Anda tudo à procura não sei bem do quê

Depois de ler este post apercebi-me da minha realidade. Apesar de não ter um blog que dê qualquer rendimento, não ter seguidores, não ter parcerias com marcas, no fundo ser um zé ninguém nisto das redes sociais também eu me encontro no limbo entre o meio caminho para o saudável ou obsessão. 

 

Olhando para trás apercebo-me que há mais de um ano, precisamente 14 meses, peso tudo o que como. Quando digo tudo, até o azeite para temperar a salada ou o coco ralado que uso como topping em cima das panquecas. Há um ano que registo tudo o que como numa aplicação e portanto sei quantas calorias ingeri em cada um dos 365 dias que passaram, quantas gramas de proteína, hidratos ou gordura. Há um ano que me peso religiosamente à sexta feira na esperança de ver o número 53 de volta. O número que tinha em Maio de 2013, antes de ser mãe. Há um ano que vou treinar 5 a 6 vezes por semana e quando falho acho que vou engordar, perder músculo, ganhar gordura, fazer retenção de líquidos. Quando estou doente e só consigo comer maça cozida e bolachas de agua e sal já estou a pensar que não estou a ingerir a proteína que necessito. 

 

Há um ano que sigo todas as páginas de raparigas fit, receitas saudáveis, comida fit, receitas funcionais, squat, bla bla bla, para saber mais, para me motivar e para me manter no foco. 

 

Claro que tive resultados, claro que o meu corpo mudou, mas olhando para este ano que passou pergunto-me se isto é saudável. Não sei. Se eu estou mais saudável? Sei que não. 

 

Sei onde tudo começou, e não foi só uma questão de peso, foi principalmente querer de volta a minha fertilidade, mas agora, olhando para trás, penso que me perdi. Tenho amenorreia, sop profundo, resistência à insulina, pré-diabetes, obstipação e até colesterol alto.

 

Não podemos acreditar em tudo o que vemos, muitas das fotografias publicadas com pratos bonitos de pequenos-almoços "fit" acabam no lixo, as cheat meal acabam vomitadas na retrete, e o eatclean não passa de um corte e costura na manipulação e contagem de calorias. 

 

Imaginar que quando era solteira ia no carro para a faculdade a comer um pão chapata, carregado de queijo flamengo, manteiga mimosa e a beber um iogurte liquido, tudo preparado pela minha mãe. Todos os dias durante anos e anos. Sem diabetes, sem colesterol e magra. 

Mensagens

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D