Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estado de (des)Graça

todas sabemos que a gravidez é um estado de graça.

11.Mar.14

Preocupações de uma grávida

e qual é a maior preoucpação de uma grávida (advogada) a ser mãe em Maio?? Entregar o IRS a tempo e horas antes de seguir para a maternidade. Nós somos uns seres à parte está visto. 

11.Mar.14

Quase como ir para a faculdade

Hoje saíram as listas de colocação... estávamos em pulgas já de o imaginar a ir para a escolinha de mochila às costas a aprender o abecedário (NOT) apesar de ainda não ter nascido, e só ir para o berçário quando acabar a minha licença lá para Novembro ou Dezembro. Pequeno Pablo não foi aceite SHAME ON ME! ficará em lista de espera por tempo indeterminado. Nada que não tivéssemos à espera uma vez que se trata de uma IPSS. 

11.Mar.14

Novas formas

Tenho a dizer-vos que o último domingo foi passado em caça de um fato de banho onde enfiar este corpinho cheio de novas formas e mais para o roliço do que para o magro. Confesso que foi uma tarefa em vão porque não encontrei uma única peça que me favorecesse. Isso ou então não estar preparada para esta nova imagem. 

 

Algumas coisas fofinhas encontradas on-line no Site da ASOS e com preços minimamente acessíveis:

 

 

 

 

 

 

11.Mar.14

Por aqui

Tudo a correr bem, depois do susto da semana passada, depois de o médico ter assumido que tinha havido um erro médico no relatório emitido pela médica da Cuf, depois de ter largado 140 euros no Centro Ecográfico de Entrecampos mas ter conhecido o médico mais fofinho de sempre e daqueles que existem só para mim (temo ser a única a gostar de médicos pouco faladores ou que falam para dentro) respirei finalmente de alívio. O Pablito está enorme e passa todo o santo dia a pontapear-me não vá eu esquecer-me que o tenho dentro da barriga. Em horas normais ou menos próprias a verdade é que à noite é um festim. Chego a "zangar-me" com ele porque são horas da mãe ir dormir.

 

Quase a chegar às 25 semanas, respiro de alívio por pensar que faltam apenas 15 para conhecer o meu rabanete. Tenho medo que ele seja muito feio, mas segundo dizem as entendidas nenhuma mãe acha o filho feioso, espero não ser a primeira. 

05.Mar.14

quando a possibilidade nos bate à porta...

Confesso que o primeiro embate quando ouvimos falar da possibilidade de o nosso bebe ser portador de um cromossoma especial não foi fácil. E não foi uma explicação séria, ponderada ou que sequer fizesse sentido. Era um indicador que estava mal e caso houvesse outro teria de fazer uma amniocentese. Fiquei em pânico, histérica porque o desconhecido nos mete medo. Foram 4 dias angustiantes na expectativa de repetir a ecografia em busca de um outro indicador que indiciasse algum problema justificativo de um exame tão evasivo. 

 

A ecografia correu como queríamos mas o nosso médico ainda nos quer ver, e dormindo sobre o assunto, e estudando todas as possibilidades e ainda que a medo, sei que, a não ser que ele me diga que algo pode estar a pôr em causa a vida do bebé (que eu sei que não, pelo menos neste momento uma vez que o médico que me fez o exame foi explícito ao descansar-me), não farei nenhuma amniocentese. Todos nós podemos desenvolver problemas, agora, no futuro e infelizmente não podemos controlar tudo. E se o medo dele é uma trissomia 21, com esse medo posso eu bem. Não conheço o Pablo mas já o adoro como ele é, e agora ainda mais, desde que descobriu o meu umbigo e não o larga. Irei lá para o ouvir mas não terei novidades para dar porque o bebé há-de estar bem e se não estiver, na devida altura saberemos. 

 

 

... o melhor é esperar para vê-la.

04.Mar.14

O papel do obstetra

Ao longo de todo este processo tenho vindo a entender que o papel do nosso obstetra é fundamental para que consigamos estar calmas durante esta etapa das nossas vidas. Também tenho vindo a aperceber-me que eles são bastante cautelosos e zelosos, e que tudo é exponenciado ao máximo não vá o diabo tecê-las. Acredito que isto se deva não só à sua consciência mas também ao medo implícito de processos judiciais. É fácil apontar as culpas quando algo corre mal, e a forma que têm de se proteger é levando ao extremo qualquer problema ou não problema.

 

Não crítico esta forma de estar mas acho que deveriam haver regras de procedimento que salvaguardassem as grávidas uma vez que as palavras escolhidas nem sempre são as mais adequadas naquele momento. Para um médico que faz diagnósticos durante todo o santo dia não custa pedir mais aquele exame, mais aquela análise só porque não gostou muito de algum valor. Para nós, futuras mães, e leigas nestas andanças o facto de o médico não gostar de alguma coisa é sinal de uma tragédia eminente, de um colapsar de todos os sonhos mesmo que estejamos a falar de um simples indicador sem importância.

 

Acredito que poderia existir um equilíbrio entre aquilo que é dito, a forma como é dita e o momento em que é dito. Ninguém está preparado para ouvir que se calhar há qualquer coisa menos bem, faça lá este exame para confirmar mas agora tenho de sair para ir fazer um parto. Sei que aquela mulher que estava a parir naquele momento precisava mais dele do que eu, mas então enquanto profissional de saúde que é deveria saber aguardar e só depois, e com tempo, largar-me uma espécie de bomba nos braços mesmo que para ele seja apenas mais um exame, mais uma análise, mais uma grávida.

04.Mar.14

nova fase

acho que estou a entrar numa nova fase paranóica da gravidez, a fase do "não sinto o bebe mexer há.... 60 minutos, será que está tudo bem?" A verdade é que estou tão enervada que já nem sei se senti ou se não senti e eram apenas gases. E estou nisto desde as 5 da manhã. A tentar ler os sinais do meu corpo e a tentar não ir panicar já para uma urgência. Vou respirar fundo e tentar relaxar aqui no meu lindo gabinete ocupado por mais dois fantásticos colegas. 

 

O relógio que ande depressa.

Pág. 2/2